terça-feira, 2 de maio de 2017

INOCENTE ÚTIL

Dias atrás, ao passar as mercadorias pela caixa do supermercado do  bairro da cidade, fiquei de conversa com o embalador. Era um senhor adulto. Uma figura bem popular. O assunto da conversa era o feirado do 1º de maio, quando se comemora o DIA  do TRABALHADOR. O embalador estava satisfeito pelo feriado. Não precisaria ir ao trabalho, disse. Lembrei-lhe de que  era o dia do trabalhador.
Dei-me conta  que o operário não sabia de que a folga era para celebrar o dia internacional do trabalhador. A moça da caixa e o cliente que vinha detrás de mim, também escutavam o papo informal, davam mostras de que tampouco sabiam o motivo do feriado..
Este fato me confirmou o que  os trabalhadores dessa cidade, ainda que sindicalizados por obrigação e de pagar a mensalidade ao sindicato, demostravam total ignorância do papel do trabalhador na sociedade e da importância do sindicato comprometido com as classes. Definitivamente, nessa cidade, os trabalhadores não formam uma corporação comprometida com sua classe trabalhadora e unida aos demais trabalhadores da cidade e região para assegurar as conquistas dos trabalhadores.O único sindicato que tem uma ação mais ou menos comprometida com a classe trabalhadora é o do sindicato dos trabalhadores da educação ( Sindte) . Os demais sindicatos são formais, ou seja, somente para atender a burocracia das leis trabalhistas, conforme manda o figurino do sistema capitalista até esse momento. Os outros  sindicatos estão atrelados ao sindicato dos patrões.
A mentalidade do embalador e caixeira são uma amostra da pouca consciência de classe que tem os operários da cidade e da região. A mentalidade que eles manifestavam era de prazer pela folga do feirado comprido de semana. Sem dúvida é um bom motivo, pois o trabalho não é um mal em si, como a sociedade capitalista ensina. O trabalho mostra a capacidade criadora das pessoas que, com sua inteligência podem proporcionar mais conforto as comunidades em que vivem..
O trabalho como obrigação é uma aberração, herança dos séculos da escravidão dos primórdios da civilização e reforçada pelos séculos da sociedade industrial e hoje pós-industria.
Atualmente os donos da terra, da industria, comércio e governo federal e instituições do sistema social se unem para mudar as leis trabalhistas e todo indica que conseguirão.
Sem uma consciência da classe resulta quase impossível tentar qualquer mudança social que favoreça os trabalhadores e cidadãos mais pobres ou excluídos, estimulando, assim, os conflitos que já se iniciaram em outros estados do mundo.
Na atualidade da época digital pouco influiria a consciência de classe de épocas passadas. Pelas informações dos resultados de eleições do primeiro mundo e até do terceiro mundo, quem ganha eleições são os mais ricos. O exemplo dos EEUU, elegendo um multimilionário é um modelo bem significativo dessa nova época que passamos a viver.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Versão 3.10.89 Pela-Sefaz--Receita Federal Atualize -Download da NF-e .404204 Data: 08/03/2017

TODAS EMPRESAS CREDENCIADAS NO AMBIENTE DE PRODUÇÃO DA SEFAZ/RECEITA FEDERAL.
Precisa Atualizadar NF-e Urgentemente pela Novas Norrmas da Receita, FISICA e JURÍDICA.
DATA: 08/03/2017

domingo, 5 de março de 2017

-_Nota Fiscal eletrônica, coordenada pelo Receita e desenvolvida em parceria com a Receita Federal do Brasil.

O Emissor NF-e é um software desenvolvido pelo ENCAT Faca Download Obrigatorio.Data: DATA
=-=Adotar o Novo Sistema Emissor de NF-e desenvolvido pela Federal, Atualize seu Sistema NF-e em Download.
HORA:

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

DOMÍNIO DAS IDEIAS

Em 1956 até 1960, junto com jovens idealistas de toda Europa fui a estudar ao Colégio Hispano Americano, no Campus universitário Complutense de Madri.
 Estes jovens idealistas havíamos respondido ao apelo angustioso do Papa Pio XII que exhortava aos jovens de Europa para irem trabalhar a América Latina para salvá-la das ideias do comunismo que propagava o ateismo, a abolição da propriedade privada. a igualdade entre as pessoas e a entrega do fruto do trabalho ao Estado. Esses eram os objetivos que agruparam muitos jovens, sedentos por fazer o bem a humanidade que corria o risco de perder a fé e a liberdade.
Espanha vivia a dura ditadura do Franco, apoiado pela ultra direita e a Igreja católica conservadora. A criação do Colégio Sacerdotal Hispano Americano no Campus da Complutense era obra conjunta do Estado Totalitário e a igreja católica europeia e americana, cuja sigla era OCSHA.
A formação dessa juventude idealista era uma educação conservadora e controladora. Porém a contradição apareceu. O  Colégio de Madri  era dirigido por professores experientes e cientistas que professavam uma educação libertadora em todas as manifestações e atitudes humanas. O colégio era como uma comunidade de amigos. Cada aluno tinha seu quarto e podia organizar sua vida e estudos ao seu belo prazer. As aulas eram um debate sobre temas de filosofia, religião, sociologia, linguas, música, política e muito esporte, praticado nos campos esportivos da imensa universidade nacional e internacional e muita literatura e teatro. Os alunos podíamos sair a cidade bem a vontade, dentro de horários normais. Bastava avisar ao supervisor que também era um colega escolhido. A grande surpresa era que as aulas de teologia não tratavam de dogmas, mas do estudo detalhado e cronológico dos libros sagrados de Bíblia. Se podia estudar em grupos. Nas provas escolares se podia usar os livros de texto. Nessa prática apreendi que usar os livros para responder as questões das provas escolares era mais difícil que responder de memória os textos estudados anteriormente. Com os textos na mão quem não tinha estudado não conseguia encontrar as respostas certas na hora da prova. O professor saia da aula e só voltava, ao fim da aula para recolher os trabalhos de examem. Os alunos jamais ficavam tão atarefados!
Os professores criavam grupos de alunos para os domingos optarem para irem a trabalhar nas favelas de Madri ou ficar no Colégio. Nesses grupos também entravam alunos e alunas de outras faculdades da universidade e de bairros. Esses grupos engajados com a realidade participavam dos protestos constantes contra normas, comportamentos, perseguições e assassinatos do regime franquista. Geralmente quando havia manifestações participávamos e corríamos para fugir dos cascos do cavalos dos brutos soldados do regime. Colegas eram presos e mortos.

Estes grupos seguiam os movimentos revolucionários do planeta, dividido entre capitalistas e comunistas. Atualmente domina o grupo capitalista fundamentalista contra outros grupos fundamentalistas religiosos.

sábado, 3 de dezembro de 2016

❤️ Consigue Premium GRATIS

Twoo

Consigue Premium, ¡sé feliz!

¡Es hora de celebrarlo al estilo Premium. Te damos 1 semana de Premium GRATIS!

Empieza la semana GRATUITA

¡Échale un vistazo a nuestros usuarios!

 

Ventajas Premium

Descubre tus visitas
Descubre si tus mensajes se han leído
Búsqueda conectada
Navega invisible
Visita perfiles directamente
Y mucho más
Has recibido esta notificación porque te has registrado como Jorge Solivellas Cem (jorge.solivellas.cemper@blogger.com) en Twoo - Dar de baja. Massive Media Match NV, Emile Braunplein 18, 9000 Ghent, Belgium BE0537240636. ¿Alguna pregunta? Envíanos un email a premium@twoo.com para una respuesta en inglés en menos de una hora, o a info-es@twoo.com para una respuesta en español

domingo, 20 de novembro de 2016

OPRESSÃO DAS INSTITUIÇÕES

 Toda manhã ao abrir a janela do quarto, observo, admirado, dois , tres, um pássaros possados ao alto das folhagens dos galhos das árvores que, ainda, embelecem a cidade. Calmos, parece que olham por todos partes das paisagens da panorama da bela existência dos seres. Pulam de galho em galho. Parece que brincam. Espicham as assas e, suavemente se bicam uns aos outros, tranquilos e ausentes das pessoas e motores que correm nas ruas barulhentas da cidade. Voam por breve tempo e possam em outras árvores das rua, jardins ou quintais das casas do bairro. É da dança da vida livre de quem pode.
O pássaro voa e voa,mas precisa do ar, das árvores para descansar, pensar e brincar. Belo espetáculo matinal da vida natural.
A dependência dos pássaros e as árvores para seu bom e bem viver me levou a sentir a dependência que na atualidade existe entre os indivíduos e as instituições da sociedade. Me explico: Depois de uma longa viagem e, depois do almoço, estava dormindo minha costumeira siesta. Subitamente me acorda o estridente apito do interfone. Atrapalhado atendo. Era o correio que me entregava uma carta convocatória para a Assembleia Ordinária de uma empresa da qual sou diretor titular, desde os anos de universidade. Sinceramente amaldiçoei os correios e a empresa que me convocava. Tiraram meu belo e necessário sono revigorante.
Mais uma vez observo que os animais são mais livres que os homens. Nunca ouvi os pássaros xingar o ar ou as árvores. Nem o ar e as árvores xingar os pássaros. Se estabelece, entre eles, uma tácita relação natural, livre, equilibrada, pacífica, despreocupada, porém produtiva na criação dos filhotes e no encantamento dos demais seres da natureza.

Experimento que os homens, os seres tidos como inteligentes que vivemos em família, grupos e comunidades humanas, que formam a grande sociedade, tem uma relação natural, sim, porém percebemos que o peso de uma relação formal, condicionada e imposta pelos pais e hierarquias tanto nos grupos como na comunidade local, regional, nacional e internacional. Os humanos dotados de inteligência dizem que essa relação e cultural, entendendo por cultural os costumes que vem de bem longe de nosso tempo atual. Essa relação cultural vem repleta de teorias cada dia mais complicadas para as pessoas de a pé. Agora os cidadãos vivem oprimidos pelos instituições que são os que impõem seu peso dominador sobre os indivíduos nascidos livres.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

MEU JULGAMENTO POLÍTICO


Sem querer comparar-me a tantas personalidades históricas julgadas e condenadas injustamente , mas para entender melhor que a justiça humana, normalmente é falha, vou contar meu julgamento político, durante os primeiros meses da ditadura militar e grupos conservadores da direita ( 1964).
Depois de ter sido preso durante cinco dias no quartel militar de Juiz de Fora, acusado de socialista por cidadãos da cidade, fui julgado no DI4, em Belo Horizonte. Os juízes eram militares de patente, presididos por um coronel que fazia as perguntas com a seriedade e gracejos de quem acha que é infalível, porque tem o poder sobre vida e morte dos pobres idealistas.
A pergunta que mostra o teatro ridículo dos julgamentos foi a seguinte:
- Por que o senhor mexeu em política?
Respondi com toda educação e tranqüilidade. - Senhor coronel, eu trabalhei dando aulas de filosofia, religião e economia. Ademais organizei o grupo de jovens Gente Nova, juntamente com o informativo semanal noticiando fatos ocorridos na cidade e na região. Também, junto com líderes camponeses, fundamos sindicatos de camponeses e organizamos o movimento de empregadas que exerciam sua função sem nenhuma garantia trabalhista. Meu senhor, isso era, em resumo, o meu trabalho. Foi para isso que fui convidado e pago pela diocese para estar e trabalhar na região.
Pois veja, insistia o senhor coronel. – Tenho aqui nas minhas mãos uma carta do seu pai que, dias atrás, o aconselhava a não mexer com política.
 Enfaticamente prosseguia .- Escute o que escreve seu pai. Filho, lembra o que se passou na ditadura de Franco em que todos os que faziam política de esquerda eram presos e mortos. Filho, tem juízo!
Ai, eu, irônico e com emoção, fingida, replico ao justiceiro coronel. - Senhor coronel, não sabe a alegria que o senhor me dá ao afirmar que tem uma carta do meu pai. Mas que felicidade poder receber uma carta do meu querido pai! Me mostre essa carta, meu bom coronel. Quero tocá-la em minhas mãos. Mais que emoção! Sabe porque, senhor coronel? Imagine, meu querido pai faleceu quando eu tinha dois anos, em 1935. Que milagre receber, agora, uma carta dele. Por favor, quero guardá-la...
O coronel olhou seriamente para os outros doutores da lei. Dos seus olhos saiam faíscas.
Eu rindo lhe disse.- Senhor coronel, todas as acusações que o senhor recebeu sobre mim e colegas são falsas, como a carta de meu querido pai que jamais tive a sorte de conhecer.
Eis mais um fato real de como são os julgamentos dos humanos. “ Não vejo motivo nenhum de condenação”. “ Felizes os que são perseguidos por causa da justiça, porque.  deles é o Reino dos Céus”( Lc, 5, 10)
A história sempre lhes agradecerá o ideal da liberdade.